Publish or Perish – Pré Conad discutiu formas de combater efeito do produtivismo na vida acadêmica

http://www.andes.org.br/andes/print-ultimas-noticias.andes?id=4743

Pré Conad discutiu formas de combater efeito do produtivismo na vida acadêmica

Por Silvana Sá (Adufrj – Seção Sindical) e Renata Maffezoli (ANDES-SN) 

Começou nesta quinta-feira, 14/7, o 56º Conad. Antes da abertura oficial, foi realizado o seminário de Ciência e Tecnologia “Universidade, Produtivismo e Privatização do Conhecimento”, com a exposição dos professores Lucídio Bianchetti, da UFSC, e Luiz Menna-Barreto, da USP/Leste.

Bianchetti iniciou sua fala abordando as implicações do produtivismo na Ciência e na vida dos docentes, com destaque  para o sistema Capes de avaliação. Segundo ele, a agência de fomento, ao entrar nas universidades para avaliar seu desempenho, passa por cima da autonomia universitária para dar lugar à “heteronomia”. 

Para o docente, a ideia da avaliação pelos pares dá um caráter de legitimidade ao processo. Isto gera, em sua opinião, um problema complexo de identidade, que dificulta a resistência. 
Outro ponto, segundo ele, que o questionamento do problema é a naturalização do produtivismo na academia. “Qualquer sofrimento deixa de o ser, quando se torna hábito. Este é o ponto-chave”, disse.

Identidade e resistência
Neste contexto, Bianchetti questionou: “Se a inclusão interfere tanto nas condições de vida e trabalho, por que queremos tanto fazer parte do sistema?” Para ele, a possibilidade de estar fora deste modelo não existe. “Ou você adere ou está fora”, alerta.

O professor da UFSC observa que as tentativas de resistência ao sistemas são poucas e quase “quixotesca”, e que as atitudes precisam ser mais politizadas. “Se conseguirmos instrumentalizar essa luta, com a produção de mais pesquisas que denunciem os efeitos negativos do produtivismo, tendo o Sindicato Nacional como espaço de amplificação dessas denúncias, é possível que a situação mude em médio prazo”, avaliou.

Produtivismo x qualidade
Luiz Menna-Barreto focou sua análise no produtivismo que leva à privatização da universidade e do próprio conhecimento. “O modelo produtivista deve ser questionado associado ao modelo social no qual a gente vive”, afirmou. Segundo ele, é preciso lutar contra a ideia de que a privatização da universidade se faz necessária para acompanhar a modernidade.

Menna também reclamou do enfraquecimento do sentido coletivo de universidade, em detrimento, muitas vezes, da defesa de interesses pessoais: “Essa falta de discussão nos deixa sem condições de reverter o autoritarismo”.

Cotidiano Acadêmico
Com relação ao efeito do produtivismo no cotidiano acadêmico, Menna afirmou que a face mais perversa talvez seja a superficialidade da participação na vida acadêmica, principalmente na relação com os técnicos administrativos. Para ele, a universidade passa a ser uma oficina de alienação do serviço público. “Instalam-se verdadeiras linhas de montagem de projetos prontos,” denunciou.

 Debate
No final, alguns participantes deram contribuições para o debate. A necessidade de resgatar o sentido da universidade e sua autonomia frente ao modelo econômico imposto permearam as falas, assim como a importância de ações concretas do ANDES-SN na luta contra o produtivismo e no fortalecimento do coletivismo na academia.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s